Greve Geral: Centrais unidas contra notícias falsas divulgadas pela mídia aliada ao governo

postado em: MOBILIZAÇÃO, NOTÍCIAS | 0

Após a Revista Época, das Organizações Globo, ter anunciado ontem, dia 22 de fevereiro, em matéria publicada na coluna Expresso, que após um apelo do Governo Temer, a Força Sindical e a UGT teriam desistido da greve geral do dia 30 de junho, lideranças das duas centrais desmentiram a informação e afirmaram seguirem unidas à CUT, CTB, Nova Central e CSB para fazerem uma grande greve contra as “reformas” trabalhista e a da Previdência. O Sindiquinze está integrado à luta geral da classe trabalhadora, organizadas pelas principais centrais sindicais do País.

Usando um argumento sem sentido, a revista afirmou que “os dirigentes das duas centrais sindicais acreditam que a greve se resumiria a um protesto “Fora, Temer” e deixaria de lado questões que consideram importantes, como a reforma trabalhista e a da Previdência”.

Fica evidente que a revista não entendeu que o principal objetivo da greve geral e da mobilização do dia 30 é enterrar de vez a reforma trabalhista, que o governo Temer diz que pretende votar no plenário do Senado dia 5 ou 12 de julho.

Pouco tempo depois da publicação da matéria, as centrais UGT e a Força Sindical soltaram notas desmentindo a versão da revista. A UGT, em texto assinado por seu presidente, Ricardo Patah, afirmou: “A União Geral dos Trabalhadores (UGT) em momento algum desistiu da greve geral do dia 30 de junho. A notícia publicada no Fake News da Revista Época nesta quinta-feira (22) é inverídica. Unidos nós somos fortes. Por esse motivo é comum, nesse momento, tentar desorganizar o movimento conjunto das centrais contra as Reformas Trabalhista e Previdenciária”.

Um pouco mais tarde, um comunicado da Força Sindical, anunciou que: “A Força Sindical vem a público orientar suas entidades filiadas – sindicatos, federações e confederações – a realizarem, no próximo dia 30, sexta-feira, atos, manifestações e paralisações em suas bases”. Segundo a Força, “É muito importante que os trabalhadores de todas as entidades filiadas intensifiquem esta luta, cruzando os braços e realizando manifestações em repúdio aos textos apresentados sobre as reformas”.

Para o Presidente Nacional da CUT, Vagner Freitas, o momento “não é de negociar redução de danos com governo que respira por aparelhos e muito menos desistir das mobilizações”  contra as reformas”.

Na avaliação do dirigente, a Greve Geral, do dia 28 de abril, e a o Ocupa Brasília, no dia 24 de maio, conseguiram mexer com o único fiapo que ainda sustenta Temer no poder, uma base conservadora no Congresso que busca acelerar a tramitação das reformas Trabalhista e Previdenciária.

Vagner voltou a dizer que não aceita discutir um programa de redução de danos na retirada dos direitos trabalhistas. “Apostamos na greve, no enfrentamento e na construção do dia 30 de junho. Suspender essa mobilização agora ajudaria o governo no ataque aos trabalhadores e seus direitos”, acrescentou.

17 1visualizações hoje

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × quatro =